segunda-feira, 19 de junho de 2017

Capri



Esta pérola do Mediterrâneo, com suas águas azuis e transparentes, conserva em seu interior, misteriosas e profundas grutas, que provocam nossa imaginação, com seus gigantescos “farralones”, que se assemelham a dois enormes pedestais esbranquiçados e encravados nas profundezas do oceano. E enquanto inúmeros barcos singram naquele mar translúcido, nos invade uma profunda sensação de paz.

      No topo da ilha, se encontra a bela e charmosa “Ana Capri”, um recanto paradisíaco sem igual, onde as buganvílias e os gerânios com seus exuberantes coloridos debruçam-se sobre os muros e sacadas, encantando a todos e proporcionando momentos de pura magia e emoção. Esta ilha maravilhosa, com seus encantos mil, ficará para sempre em minha caixinha de lembranças.

Terezinha Brandenburger

Imagem: Capri

segunda-feira, 5 de junho de 2017

O Vento

      

O vento vem... o vento vai...
O vento refresca, acaricia,
Brisa leve que agrada.

Vento Saci-pererê,
Vento moleque, maroto
Que ri, rodopia, brinca, bole,
Levanta poeira, desalinha cabelos.

Vento mal-humorado
Que chora, assobia, zune,
Entra pelas frestas,
Bate portas e janelas.

Vento em fúria
Uiva, ruge, destrói, quebra,
Destelha casas, arranca árvores,
Derruba, assusta e machuca.

Vai embora, vento furioso,
Volta à calma,
Volta a ser brisa!

Liti Belinha Rheinheimer
Imagem: Gazeta on-line


domingo, 14 de maio de 2017

Rosa azul de maio





 Pensei, pensei.....
 Por caminhos tantos enveredei.
 Quis dizer maravilhas,
 Fazer rimas em entrelinhas,
 Despejar elogios
 Derramar palavras de exaltação.
 Por que tão difícil,
 Por que aperta tanto meu coração?
 Falar para a mais doce e dedicada das criaturas,
 que foi meu arrimo, meu porto seguro,
 Que nunca soube dizer não.


Pudera ter seu abraço, 
Que ventura!
 Sorver de sua candura,
 Em seu colo me consolar.
 Ou dizer da minha felicidade,
 Contar dos filhos, 
 Minha neta apresentar...
 Mas,  no trilhar da vida,
 Minha mãe,já perdida,
 É o retrato da minha eterna saudade.

Renate Gigel

Imagem: via Google 

domingo, 7 de maio de 2017

Enamorada do mar




Enamorada do mar

Quando vamos ver o fim do mar no horizonte...
Que a lua venha e nos conte!
Quando vamos nos encontrar
Junto do mar?
A mergulhar...
Saltando nas ondas por fim
me surpreendes...


Eloísa S. Moura

Imagem: Lar Natural

sábado, 22 de abril de 2017

Socorro!




Onde foi parar a verdade?

Em quem podemos acreditar?

Onde estão os homens sérios, honrados, confiáveis?

Lembro, com saudades, de quando era criança e ouvia o nome dos governadores, presidentes, prefeitos e tinha a certeza que para eles estarem naqueles cargos era porque eram homens de bem, honrados e acima de qualquer suspeita. Suas fotos eram imponentes, altivas, porque eles eram o exemplo do melhor que havia no país, homens dignos de respeito e acima de qualquer suspeita. Isso foi nos anos 1970, 1980. Quando começou a mudar essa realidade? Quando terminou o militarismo? Nunca houve e eu sempre estive enganada?

Quero acreditar que não. Quero acreditar que tenha realmente havido essa época, que não tenha sido uma ilusão. Porque se algum dia existiu, existe a possibilidade de voltar existir. Peço urgência a Sérgio Moro! O tempo urge!

Tem que ser antes de lançarem os candidatos à presidência em 2018, pois senão será tarde demais, poderemos ter que ver renascer o monstro do lago Ness e dessa vez, seremos totalmente devorados por ele (s).

Socorro, Sergio Moro!!! Se você for o último homem de bem desse país, do único que ainda podemos esperar alguma dignidade, alguma honra, peço que seja o SALVADOR DA NOSSA PÁTRIA, que sangra da sua artéria mais vital e já está agonizante.

SOCORRO!!

Aida Pietzarka

Imagem: Jorge Roriz.com

domingo, 9 de abril de 2017

Parabéns, Novo Hamburgo



Meus parabéns, Novo Hamburgo, pelos seus 90 anos!
És uma cidade maravilhosa!
Sou orgulhosa por você me acolher.
És uma amiga fraternal.
Tens lindas praças, acolhendo calores humanos.
Árvores frondosas, em flores, enfeitando a cidade.
Pássaros dos mais variados, voando em seus galhos.
E tens um céu azul, lindo!
És uma cidade encantada,
Com seu Trensurb moderno e veloz.
Um shopping, espaço de encontros felizes com amigos.
A Fenac, feiras de calçados e eventos.
Na cultura, poetas, escritores, artistas.
No progresso, empresários e trabalhadores.
Na educação, professores, professores, escolas e faculdade.
Na vida social, um povo hospitaleiro e acolhedor.
Novo Hamburgo, minha cidade querida.
És da glória, gaúcha formal.
És do Rio Grande do Sul, amiga dedicada.
És do Brasil, um povo leal.

Lydia Kehl

Imagem: Feiras.tur

domingo, 26 de março de 2017

Ao vento





Sair assim sem nada, sem lenço, ao vento
Dizer tchau, naquela hora, senhora trivial
Pensar só no que lhe vem pela frente
Pensar somente o que nem vem pela mente
Sair, andar, jamais fugir...
Sair assim leve, sem amarras ou trancas
Sem artimanhas que lhe façam voltar
Sair assim, se entregar, respirar
Sair de si,sair de mim, sair por sair
Sair para junto da leveza, pureza, sutileza
Sair ao  encontro da luz branca, paz do ser
Ir em busca da alma perdida, que só, se acalma
Ir em busca do nada, do tudo que se cala
Na imensidão do ar, do sol, da luz
Descalço, pleno, sentir-se pequeno
Sair assim tão certo, buscando o incerto
Sair assim, descendo ao chão, sem lamentos
Na incerteza do rumo ou arrependimento vão.
Sair assim na certeza simples singela
No maior trunfo  que temos na mão
É  largarmos tudo, tudo termos em nossas mãos.
Fazer da vida esta opção.
Penso nada ser em vão.


Máyra S. L.
Imagem: dienes.rssing.com

sexta-feira, 17 de março de 2017

O que importa é semear




Quaresma...tempo de trabalhar a terra dura;
Tempo oportuno, embora esta, nos pareça infértil.
Não importa o inço, as pedras, a secura...
Importa é não deixá-la assim, acomodada, inerte...
Ela pode esconder riquezas em seu interior!

Mesmo que a esperança, as vezes, fique escura;
Buscando a coragem no Mandamento do Amor,
Encontraremos, na aridez, uma vertente!
Importa é “pôr a mão no arado sem olhar pra trás”;
Jesus nos guia... Ele vai à nossa frente!

Ser “operário  na messe” do Senhor,
É revolver a terra e plantar a semente,
Com a esperança de que os frutos nascerão;
Pois este é um tempo favorável e eficaz,
Para “semear”o Evangelho onde for!

A cada batizado é confiada esta missão.
Coração é terra fértil; o amor ensina a plantar.
“Ide e evangelizai!”,disse Jesus,
 “Vós sois o sal da terra, e do mundo, a luz”...
Estas palavras comprometem um cristão!

Zulma de Bem

Imagem:Grupo de Oração Semeando a Paz

quarta-feira, 8 de março de 2017

A moderna prenda gaúcha


        

           Já não se veste mais tanto de chita.
           Aderiu ao jeans e a camiseta,
           Dirige empresas e caminhões e se necessário for,
           Assume o papel o papel do homem na família.

            Além de cuidar de sua aparência,
            Precisa atualizar-se sempre na moda,
            E no modo de criar os filhos,
            Ensinando-os a amar e respeitar seus semelhantes,
            Preparando-os para a convivência em sociedade.

            Temperar com amor a comida e tudo o que faz,
            Somar alegrias e tristezas, mas sempre otimista.
            Adivinhar os pensamentos e até os sentimentos
            Daqueles com os quais convive
            São habilidades que aprendeu à cultivar.

           Entre as armas que usa em sua sublime missão,
            A fé no Pai Celestial, através da oração,
            Revive em todos os tempos, o que diz a tradição.
            Nunca permite que o medo a leve à desesperança,
            Cultiva sempre a coragemdentro do coração!


                                                 Terezinha Brandenburger
Imagem: Mondial

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Dualidade





Tão estranho estar,
Na linha da dualidade.
Ora em paz,
Ora tormenta.

A pele, a face, o sorriso,
Espelham um bem-estar
Amplo, belo, suave, acalentador.
Mas, por dentro...

Ser quebrado,
Desiludido, perdido...
Vontade de sair correndo,
Gritar, quebrar coisas...

Assim como o próprio coração.



 Luana Jenifer
Imagem: revistamonet.globo.com

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

A Palavra



A Palavra

A palavra tem poder
Constrói pontes
Ou destrói cidades
Coroa ou destrona líderes
A palavra pode incendiar
Queimar e matar
Pode perdoar ou vingar
Elevar o ego ou machucar

Antes do ato, vem a palavra
“Fogo!” e o fuzil detona
A caneta ou o computador
Escrevem...  e o ato acontece.

A palavra tudo pode
A palavra é arma
Incendeia amor ou ódio
Constrói ou destrói
Antes do ato, vem a palavra
A palavra coroa ou destrona
A palavra tem poder
A palavra é deusa.

A palavra-duende à morte transcende.


Liti Belinha Rheinheimer
Imagem: Diocese de Campina Grande

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Águas de verão


"De repente o céu fecha para balanço!
São Pedro embala-se em uma
Cadeira...
Manda uma brisa ligeira
Move nuvens, esconde
O Sol...
Sol...intenso, céu imenso...
Fica cinza degradê
Até onde o olho vê...
Lembro de você!
Que gosta muito de chuva..."

Eloisa Moura






Águas de verão


Ao fechar de um ano e nascer de outro parece que  são renovadas todas as esperanças.
Novo ano, novas ideias, novos dirigentes.

Novo ano , velhos sonhos.

Tivemos muitos fantasmas a atormentar nosso dia a dia vendo crescer o desemprego; recessão na economia, filas pela saúde, pela escola, pela segurança com violência crescente; educação para jovens com futuro comprometido. Até nos rebelamos!

Mas sabemos que dentro de cada um existe o desejo de lutar, de acreditar na força em construir um lugar digno para os milhões de jovens que precisam de um futuro e  para viver, seu lugar para amar e para crescer.

Então, vamos mais uma vez acreditar e unir forças para não sucumbir ao turbilhão das tempestades que já deram sinais, parecendo querer sacudir até as bases.

Esperar pelas águas de verão, mais amenas, mas mais férteis.Que permitam às sementes ficarem na terra para germinar.

Tomara àqueles a quem foi entregue o rumo e destino de nosso desenvolvimento tenham uma gestão profícua  como governantes, que sejam suas administrações baseadas em princípios que orgulhem a todos, incentivando o crescimento do bem comum e aumentando a crença e fé no torrão natal.

Que volte a nossa alegria de criança, inundando a alma de sorrisos de um banho de chuva, quem sabe até de mangueira?

Desde que sejam amenas águas de verão.

Renate Gigel
Foto: Arquivo pessoal.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Maktub



Impressionante como as mudanças acontecem em minha vida. Não preciso querê-las, elas ocorrem dentro de mim e se exteriorizam.
Parece que no meu interior tem um ser mais evoluído, que sabe o caminho a seguir, a hora certa de iniciar e findar um ciclo e quando esse momento chega, a mudança acontece.

Não preciso me preocupar com a direção a seguir, é só deixar o barco ir, que o caminho já está traçado.

Quando acontece algo intenso em minha vida e isso provoca uma mudança, começo me sentir estranha, não reconheço mais minhas atitudes e daqui a pouco percebo que chegou a hora desse ciclo se fechar e iniciar outra fase mais evolutiva. Nesse momento rio sozinha, relaxo e deixo acontecer.

Claro que não foi sempre assim, talvez tivesse sido, mas eu não tinha a percepção disso. Debati-me, estressei-me em vão, enquanto achava que dominava a situação, que estava no comando tentando resolver tudo “do meu jeito”.

Só quando não tinha mais forças para lutar que parei e fiquei quieta, comecei a ouvir minha voz interior e percebi que tudo estava lá, pronto, perfeito, irretocável. Então foi só relaxar e confiar que o caminho estava traçado, só precisava segui-lo.

Recolhi então os remos e deixei o barco deslizar sozinho, sem o meu comando, confiando nessa força maior que me conduz e desde então ele só parou em portos seguros.

E foi isso que fiz e faço até hoje. E o limite... sei lá, não tem, o limite é o infinito.

Aida Pietzarka

Imagem: templo dourado

domingo, 15 de janeiro de 2017

Na praia


                      Busco na maciez das areias,
                      Refúgio para o meu corpo,
                      Oásis para meu espírito.

                    Na brisa suave que me toca,
            Encontro uma sensação de  abandono,
                   Momentos de mágica solidão.

                  O leve balanço das ondas,
                  Parece querer embalar-me.

                 E a imensidão do mar,
                 Tão pequena me faz.
                                                  

                                       Terezinha Brandenburger
Imagem: TripAdvisor