domingo, 26 de março de 2017

Ao vento





Sair assim sem nada, sem lenço, ao vento
Dizer tchau, naquela hora, senhora trivial
Pensar só no que lhe vem pela frente
Pensar somente o que nem vem pela mente
Sair, andar, jamais fugir...
Sair assim leve, sem amarras ou trancas
Sem artimanhas que lhe façam voltar
Sair assim, se entregar, respirar
Sair de si,sair de mim, sair por sair
Sair para junto da leveza, pureza, sutileza
Sair ao  encontro da luz branca, paz do ser
Ir em busca da alma perdida, que só, se acalma
Ir em busca do nada, do tudo que se cala
Na imensidão do ar, do sol, da luz
Descalço, pleno, sentir-se pequeno
Sair assim tão certo, buscando o incerto
Sair assim, descendo ao chão, sem lamentos
Na incerteza do rumo ou arrependimento vão.
Sair assim na certeza simples singela
No maior trunfo  que temos na mão
É  largarmos tudo, tudo termos em nossas mãos.
Fazer da vida esta opção.
Penso nada ser em vão.


Máyra S. L.
Imagem: dienes.rssing.com

4 comentários:

  1. Poxa, Mayra!
    Belo texto!
    Profundo, elaborado, de alto nível.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Gosto,sempre, da viagem pelas palavras!
    Muito legal.
    Re

    ResponderExcluir